ANDRE CHARLES E RUPAUL: UMA NARRATIVA DRAGQUEEN NO CONTEXTO POP CONTEMPORÂNEO

  • Felipe Petik Pasqualotto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Richard Luis de Sousa Perassi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Marília Matos Gonçalves Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Neste artigo, conceitos e arranjos da teoria Semiótica Discursiva, baseada no signo dual saussureano e no percurso gerativo de sentido greimasiano, são adotados na leitura de uma narrativa cultural contemporânea, expressa publicamente por imagens fotográficas registradas no ambiente artístico-social da cena Pop e no cenário televisivo do reality-show “RuPaul ́s DragRace”. Tal narrativa informa sobre duas personas: (1) Andre Charles (performer) e (2) RuPaul (dragqueen), que são suportadas por uma mesma estrutura biofísica, apesar de expressarem diferentes identidades psicossociais. No texto, são enfatizados os sentidos de “ambiguidade” e “transição”, como temas profundos do nível fundamental da narrativa. Também, são propostas as ideias de “hiperfeminino” e “hipomasculino”, como termos participantes do sentido de ambiguidade na performance dragqueen.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
11-10-2018
Como Citar
Pasqualotto, F. P., Perassi, R. L. de S., & Gonçalves, M. M. (2018). ANDRE CHARLES E RUPAUL: UMA NARRATIVA DRAGQUEEN NO CONTEXTO POP CONTEMPORÂNEO. Revista Triades, 7(2). Recuperado de https://triades.emnuvens.com.br/triades/article/view/145
Seção
Artigos