O Tom De Zé à Luz de uma Semiótica Aplicada à Cor

  • Cláudio de Souza Teixeira Universidade Federal de Campina Grande
  • Maycon Gustavo Costa dos Anjos Universidade Federal de Campina Grande

Resumo

No presente artigo, objetivou-se em analisar o simbolismo cromático do
design da capa de disco (LP – Long Play) do músico Tom Zé, produzida no ano de 1968,
durante o movimento Tropicália no Brasil. Para tanto, foi utilizada uma abordagem
semiótica como metodologia de análise de conteúdo, onde se constatou o uso da cor como
instrumento propagador de mensagem perante as mudanças sócio-político-culturais dessa
época, veiculando em sua retórica uma mensagem crítica perante a sociedade. A pesquisa
chegou à conclusão de que o simbolismo cromático aplicado nessa capa pode expressar
uma mensagem que está relacionada a alguns aspectos presentes na sociedade de
consumo e na vivência cotidiana do indivíduo: o conceito que se convencionou no
imaginário popular de que as cores saturadas e contrastantes são aspectos simbólicos de
bem-estar e felicidade, os quais contribuem com as vendas e com a feição de que está
tudo bem; de tal modo, por um lado, a “ironia” presente no plano de conteúdo se configura
no plano de expressão de forma persuasiva; por outro, a essência e aparência
representadas pela “antítese” simbólica das cores desenvolvem um embate antagônico
neste mesmo plano de conteúdo, causando reflexão.


PALAVRAS-CHAVE: Semiótica; Cores; Tropicália; Capas de Disco.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
20-12-2019